Novidades, galera!

Olá leitores,

Orgulhosamente (e com um misto de saudade) informamos que estamos com endereço novo. O primeiro nome dado ao blog foi o fofo: Para Sempre Lilo. No entanto, soava muito feminino, isso pode afastar os leitores e isso não queremos aqui. Então após um disputado brainstorm com amigos, surgiu o Palavras Encenadas que casa lindamente com o blog que ama as palavras, a escrita, a imaginação. Seja falando da realidade ou na criação de mundos e situações. É isso pessoas, espero que sintam-se a vontade, livres e criativos lá também.

Curtam a página, sigam o Insta, dê um tweet por nós, inscrevam-se para receber as novidades.

Sei que estamos sumidos, mas além do endereço voltaremos pouco a pouco com novidades =]

 Amamos visitas, então não fiquem acanhados.

http://www.palavrasencenadas.com/

Suspenso

IMG_20150805_134626 (1)

O sal do mar em sua pele parece reluzir ao pôr do sol

Mescla laranja e prata. Ofusca, é lindo.

Penso em manhãs ensolaradas, com previsões de chuva à tarde.

Fingíamos juventude sentados no asfalto quente enquanto o sorvete derretia

 Só fazíamos dar risada.

O alvoroço das manhãs, os pés entrelaçados e escondidos em segredo

Tic tac, tic tac denunciava o relógio e até do tempo gargalhávamos

Não lembro de algo tão natural sem o peso da vida apontando o dedo em riste

Talvez nunca tenha existido, é o que dizem

Essas lembranças- fantasma mantém o carrossel girando e girando

São provas contra ou a favor, são reais por unanimidade.

É uma pena que teve que ir embora junto com a promessa do baile de verão

Estou imaginando onde esconderam meu vestido vermelho

E quem tirou seu nome da lista? Apresente-se agora.

Sabiam que mesmo assim, eu estaria lá

As ondas do mar, a música, o Sol sumindo envolto em calma

As estrelas misturadas em nuvens espessas e todos correram para suas casas

A ideia de proteção é falsamente propagada.

De repente era tudo confusão

Simplesmente não entendi e acabou abruptamente

Os passos leves subindo as escadas, ameaça partir

Quis contar a novidade e disquei o número

Mesmo sabendo que já não estava mais lá.

Mesmo ardendo para que estivesse.

Seleção para colaborador(a) do Blog PSL

cropped-img_20150402_1514387092.jpg

Olá Leitores,

Como estão? Esta pergunta não é retórica, quero mesmo saber a resposta =]

Eu estou muito contente com as postagens do blog, é uma forma de terapia muito boa: escrever, compartilhar, fotografar e responder. Porém, quero abrir um leque maior para ele, sendo assim estão abertas as inscrições para novos colaboradores. U-huuuuuuu *_*

É uma parceria simples, com alto índice de qualidade, que não vai gerar nenhum ganho financeiro (ou seja, não é remunerado), para quem for selecionado. A consciência disso é muito importante, pense em um hobby sobre algo que você leva a sério, ama e gostaria de expor para diferentes pessoas. Pensou e curtiu? Então, você tem chances de entrar para o time!

O blog Para Sempre Lilo tem seis meses (um bebê lindo). Com livros e músicas, entrevistas, listas de dicas diversas, textos escritos por mim e para quem mais quiser mandar no e-mail e participar da categoria: Enviar ao Desconhecido.

Estamos no Twitter e no Instagram também, como @somaisum_livro. Fiquem a vontade para conhecer mais desse mundo paralelo.

Participar é fácil >>>

Responda ao Formulário e boa sorte!

Dicas >>>

  • Sejam coerentes e cuidado com a gramática
  • Abusem da criatividade
  • Conheçam o blog
  • Usem uma foto bonita para a resenha
  • Sejam verdadeiros

As inscrições começam hoje (04/08/2015) e a data limite vai depender das inscrições recebidas. Que a sorte esteja a seu favor *_*

 

 

Resenha: A Rainha Vermelha – Victoria Aveyard

@somaisum_livro
@somaisum_livro

O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.

Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?

Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe – e Mare contra seu próprio coração.

Olá Leitores,

O enredo de A Rainha Vermelha pode ser considerado inusitado.

Uma distopia que não se perde em meio há romances. Uma protagonista dominada pelo desejo de proteger ao invés de amar. A traição aqui não fala alto, mas grita a plenos pulmões e talvez você esteja tão envolvido com a trama que se faça de surdo pra ela << e esse, é o maior spoiler que espero dar aqui. Mas não se enganem achando que as bombas começam a cair rapidamente, o processo é lento até certo ponto, do processo de criação e design até os testes; a leitura inicial é parada e chata, tive medo de não torcer pela mocinha, que (ponto para ela) não é tão boazinha e inocente. Até que muita coisa começa acontecer, com conteúdo altíssimo e adrenalina e parar de ler é beira ao sacrilégio. Sim, posso dizer que aprovei o primeiro livro da Victoria Aveyard com honras.

“Todo mundo pode trair todo mundo”.

A sociedade foi dividida entre os seres humanos com sangue prateado que possuem poderes especiais, por isso subjugam   os que tem sangue vermelho, pois são pessoas comuns, usadas para a guerra e servidão, em constante estado de pobreza e humilhação.  O mundo que conhecemos, não existe mais.

Mare Barrow tem sangue vermelho e ajuda sua família cometendo pequenos furtos enquanto espera ser chamada para os campos de batalha. Seu amigo Kilorn, acaba de ser recrutado e para conseguir fugir com ele, ela precisa roubar uma grande quantia. Alguns acontecimentos causados devido a ideia de fuga, levam Mare a fugir de casa e conhecer um estranho que lhe da a chance de trabalhar para a família real. Lá, ela e os prateados descobrem seus poderes e diante de tantas testemunhas, inventam uma história que a transforma em alguém como eles até entenderem o que aconteceu.

IMG_20150731_125502
@somaisum_livro

“É melhor esconder esse seu coração, Lady Titanos. Ele não vai levá-la a nenhum dos lugares que deseja chegar”.

Um jogo maior do que se podia imaginar esta se formando e é difícil adivinhar o que pode acontecer. Ao longo da narrativa e conforme nos aventuramos no mundo antes e depois de existir um vermelho com poderes de prateado, nos tornamos sedentos e ávidos por mais descobertas sobre os personagens e é fácil devorar cada página do livro mesmo sabendo que a continuação se dará apenas no próximo ano (2016). A trilogia A Rainha Vermelha, certamente é uma legítima distopia e excede as expectativas para o segundo livro. Cuidado com o que vai nos entregar Victoria =]

Por que decidi ler A Rainha Vermelha> indicação da vendedora da Livraria Cultura que falou com tamanha empolgação que fui totalmente contagiada (mesmo achando que nenhuma protagonista seria tão forte quanto a Celaena Sardothien), e mesmo assim não esperava muito. Obrigada, Camila! Adorei.

Para quem eu indico A Rainha Vermelha> Amantes da distopia. Um mundo diferente do nosso, novas regras e políticas. Esse livro é bem focado no poder massacrando a simplicidade. Riqueza versus uma vida miserável . Personagens com personalidade forte e bem criados.

Você pode não gostar de A Rainha Vermelha caso> esteja procurando boa dose de romance. Muitas boas distopias perdem um pouco a textura, quando há um triangulo amoroso envolvido. Foca-se quase que completamente nele, Mare Barrow não é a mocinha apaixonada, embora os príncipes sejam cativantes. Sim, há fortes sentimentos e uma pitada de amor, porém o foco dela é manter seu ódio pelos prateados e lutar por seu povo.

A Rainha Vermelha de Victoria Aveyard é o primeiro livro de uma trilogia, publicada no Brasil pela Editora Seguinte em 2015.

Batida

11420916_1032443153457316_1268330103_n

Estou batendo nas portas no fundo de uma casa

Ao que parece o dono foi embora há muito tempo

Ervas daninha cresceram ao redor da varanda

Um dia houve rosas também, mas desse tempo só restaram os espinhos.

A porta é feita de madeira, é linda e velha

Continuo batendo e meus dedos estão ficando esfolados

É minha última chance, não consigo parar de bater

Sofrer em espera, em agonia, em melodia.

A música vem de dentro da porta e repete vezes sem fim

Não tem fim, não tem fim, não tem fim

Preciso entrar e desligar

Não há janelas, o som sai sufocado,

De um jeito estranho é bonito e assustador.

A música, a batida, o ruído que a casa faz

É meu lar, sou eu dentro de mim

Conhecendo-me, sem enxergar

Eu grito, não quero pensar

Continuo batendo e batendo.

Dentro de mim, um ruído baixo, sussurrando respostas

Chegando aos poucos, estou desesperada

 Mal consigo escutar.

Playlist Literária #1

Olá leitores,

Fim de semana passado organizando minha prateleira de livros, enquanto ouvia músicas e colocava meus bebês em uma ordem que só eu entendo, pensei neste post. Para quem me segue no Instagram (@somaisum_livro), percebeu que estou atrasada, por motivos de: Caminho das Índias no Vale a pena ver de novo.

Pois bem, inspirada na esperança de ir sábado para praia, essa primeira Playlist tem um quê do mar. São três dicas de livros e músicas inspiradas nos mesmos, para um fim de semana (ou durante a semana mesmo) com suco natural, protetor solar, pés afundados na areia enquanto o som das ondas quebrando, da música e dos personagens do livro levam você a uma viagem deliciosa.

Desenrola foi escrito por Rosane Svartman e Juliana Lins

@somaisum_livro
@somaisum_livro

É um livro muito rápido de ler, intercalando entre os personagens com o ponto de vista deles sobre o que está acontecendo com seus amigos e, principalmente, com eles mesmos. Fala sobre primeiras vezes, adolescência, micos e muitos mal entendido que é de praxe nessa época (alguém discorda?) =D

Descrevo como aquele livro que se você tiver na adolescência, vai gostar porque pode se identificar com muitas situações. Se já tiver “passado dessa frase” e não lembrar de ter vivido nada parecido, você não dará risada nem se sentirá envergonhado, então nem comece a ler.

“Twitter? Pra quê? Meu negócio é seguir as pessoas na vida real. E se tiver que parar no meio de uma praia deserta, com um monte de surfistas e gostosos que nem sabem que eu exito, […] tudo por causa de uma branquela esquisita que a cada dia fica mais pegável […] é isso que eu vou fazer.”

Aperta o Play:

Menino e Menina – Paralamas do Sucesso

Eles se julgavam diferentes
Como todos os amantes
Imaginam ser
E faziam tantos planos
Que seus vinte e poucos anos
Eram poucos pra tanto querer

Don´t you (Forget about me) – Simple Minds

I’ll be alone dancing, you know it, baby
Tell me your troubles and doubts
Giving me everything inside and out
And love’s strange: so real in the dark

A vida tem dessas coisas – Ritchie

Outro dia eu te vi numa tarde,
tão veloz
Você passou no circular
Pela Praia do Leblon
Corri atrás
Tarde demais
Perdi a condição
De conversar

Óculos, Aparelho e Rock’n’ Roll escrito por Meg Haston

IMG_20150726_224800
@somaisum_livro

Narra a historia da vilã/mocinha Kacey Simon que é muito popular, tem um canal de Tv na escola onde dita tendência e joga poeira no estilo alheio do qual ela não aprova. Esta no topo. E como estamos acostumados, algumas mudanças necessárias para saúde e bem estar podem barrar a estética, e esse é um dos pesadelos que ela enfrenta. Kacey passa por isso quando é obrigada a colocar aparelho no dentes e usar óculos “fundo de garrafa”, claro que o novo look faz ela descer do trono e se aventurar com as pessoas comuns do colégio, tanto para novas alianças quanto para voltar ao reinado. Mais uma história, com desdobramentos divertidos e leves. A personagem principal às vezes é insuportável, mesquinha e não tem empatia, mas isso não prejudica a história, pois já esperamos isso dela e torcemos para que mude em alguns aspectos e mantenha outros.

“Aqueles caras mereciam a humilhação. Mereciam o aviso de que eu ainda estava ali, debaixo dos óculos e do aparelho. Pronta para lutar”.

Aperta o Play:

I love Rock N’ Roll – Joan Jet The Blackhearts

He smiled, so I got up and asked for his name
“But that don’t matter”, he said
“‘Cause it’s all the same”
He said, “can I take you home
Where we can be alone?”

Smile – Lily Allen

I was so lost back then
But with a little help from my friends
I found a light in the tunnel at the end

Feita de Papel – Luxúria

Nunca digo a verdade aliás
Sei que o meu discurso já não cola mais
Chega uma hora em que pra mim tanto faz
Então só penso em correr atrás

Vinte garotos no verão escrito por Sarah Ockler

@somaisum_livro
@somaisum_livro

Comprei esse livro, porque queria estar pronta quando perdesse alguém, mas não queria algo melancólico e pesado, mas sim uma história sensível. Com seu lado engraçado, partido e unido. Não sei o que exatamente estava pensando. Anna é disciplinada e sonhadora, perde seu melhor amigo e primeiro namorado cedo demais, a relação dos dois ainda era um segredo que ela prometeu guardar. Em meio a isso Frankie, a melhor amiga, diz que a vinte dias na praia é uma excelente desculpa para aprontar e é nesse lema que entre perda, emoções e novas experiências inclusive para seguir em frente que Vinte garotos no verão se desenvolve.

“Quando alguém que você ama morre, as pessoas perguntam como você esta, mas não querem saber de verdade”.

“A coisa mais difícil para mim foi não saber com exatidão o quê eu perdi, o quanto poderia doer e por quanto tempo eu ainda continuaria a pensar nele. Ele levou esse mistério consigo ao morrer, e cem mil cartas no meu diário não me aproximaram mais dele do que a noite em que peguei no vidro do mar que ele usava no pescoço e o beijei”

Tenho um carinho todo especial por esse livro. Então respirem fundo e apertem o play:

Diário de um dia – Roberta Campos

Deixa passar
Porque todos os caminhos vão
Sempre cruzam a mesma direção
Nunca vou ser sozinho
Deixa pra lá

Torn – Natalia

There’s nothing where he used to lie
My conversation has run dry
That’s what’s going on
Nothing’s fine
I’m torn

Sitting Waiting Wishing –  Jack Johnson

I can’t always be waitin’, waitin’ on you

Então por hoje é isso.

Vocês também gostam de ouvir música enquanto leem? Deixe sua playlist nos comentários! =]

25/07 – Dia do Escritor

image

“Fulano criou um mundo novo, personagens incríveis e diálogos inesquecíveis. Sinto que não mais serei a pessoa de antes, cada vez que viro uma página eu também mudo…”
#somaisum_livro

Sábado.
Pela manhã, quando a luz mal atravessa as fibras da cortina e mesmo debaixo das cobertas, pode jurar que o vento encontrou um lugar por onde entrar e arrepiar a coluna. Mesmo sabendo que a dor de cabeça virá, ela enrola ainda mais o cobertor no corpo e tenta voltar a dormir, mas ouvindo a chuva bater na telha, preguiçosa e constante, levanta-se.
Sente que algo esta acontecendo, há algo em movimento, uma homenagem; um dia para comemorar dentro de todos os dias, pelo resto da vida.
Toma café, conversa, fica de baixo do chuveiro até sentir o músculo relaxar, pensa em mil sonhos antes de, novamente, se deitar. Leva alguns doces, cha quente, um livro. O livro, as palavras. Algo desperta! Põe- se a escrever e imaginar e sonhar um sonho dentro de mil. Leia mais »