Resenha: A Rainha Vermelha – Victoria Aveyard

@somaisum_livro
@somaisum_livro

O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.

Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?

Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe – e Mare contra seu próprio coração.

Olá Leitores,

O enredo de A Rainha Vermelha pode ser considerado inusitado.

Uma distopia que não se perde em meio há romances. Uma protagonista dominada pelo desejo de proteger ao invés de amar. A traição aqui não fala alto, mas grita a plenos pulmões e talvez você esteja tão envolvido com a trama que se faça de surdo pra ela << e esse, é o maior spoiler que espero dar aqui. Mas não se enganem achando que as bombas começam a cair rapidamente, o processo é lento até certo ponto, do processo de criação e design até os testes; a leitura inicial é parada e chata, tive medo de não torcer pela mocinha, que (ponto para ela) não é tão boazinha e inocente. Até que muita coisa começa acontecer, com conteúdo altíssimo e adrenalina e parar de ler é beira ao sacrilégio. Sim, posso dizer que aprovei o primeiro livro da Victoria Aveyard com honras.

“Todo mundo pode trair todo mundo”.

A sociedade foi dividida entre os seres humanos com sangue prateado que possuem poderes especiais, por isso subjugam   os que tem sangue vermelho, pois são pessoas comuns, usadas para a guerra e servidão, em constante estado de pobreza e humilhação.  O mundo que conhecemos, não existe mais.

Mare Barrow tem sangue vermelho e ajuda sua família cometendo pequenos furtos enquanto espera ser chamada para os campos de batalha. Seu amigo Kilorn, acaba de ser recrutado e para conseguir fugir com ele, ela precisa roubar uma grande quantia. Alguns acontecimentos causados devido a ideia de fuga, levam Mare a fugir de casa e conhecer um estranho que lhe da a chance de trabalhar para a família real. Lá, ela e os prateados descobrem seus poderes e diante de tantas testemunhas, inventam uma história que a transforma em alguém como eles até entenderem o que aconteceu.

IMG_20150731_125502
@somaisum_livro

“É melhor esconder esse seu coração, Lady Titanos. Ele não vai levá-la a nenhum dos lugares que deseja chegar”.

Um jogo maior do que se podia imaginar esta se formando e é difícil adivinhar o que pode acontecer. Ao longo da narrativa e conforme nos aventuramos no mundo antes e depois de existir um vermelho com poderes de prateado, nos tornamos sedentos e ávidos por mais descobertas sobre os personagens e é fácil devorar cada página do livro mesmo sabendo que a continuação se dará apenas no próximo ano (2016). A trilogia A Rainha Vermelha, certamente é uma legítima distopia e excede as expectativas para o segundo livro. Cuidado com o que vai nos entregar Victoria =]

Por que decidi ler A Rainha Vermelha> indicação da vendedora da Livraria Cultura que falou com tamanha empolgação que fui totalmente contagiada (mesmo achando que nenhuma protagonista seria tão forte quanto a Celaena Sardothien), e mesmo assim não esperava muito. Obrigada, Camila! Adorei.

Para quem eu indico A Rainha Vermelha> Amantes da distopia. Um mundo diferente do nosso, novas regras e políticas. Esse livro é bem focado no poder massacrando a simplicidade. Riqueza versus uma vida miserável . Personagens com personalidade forte e bem criados.

Você pode não gostar de A Rainha Vermelha caso> esteja procurando boa dose de romance. Muitas boas distopias perdem um pouco a textura, quando há um triangulo amoroso envolvido. Foca-se quase que completamente nele, Mare Barrow não é a mocinha apaixonada, embora os príncipes sejam cativantes. Sim, há fortes sentimentos e uma pitada de amor, porém o foco dela é manter seu ódio pelos prateados e lutar por seu povo.

A Rainha Vermelha de Victoria Aveyard é o primeiro livro de uma trilogia, publicada no Brasil pela Editora Seguinte em 2015.

Anúncios

11 comentários sobre “Resenha: A Rainha Vermelha – Victoria Aveyard

  1. adorei sua resenha!
    eu vi esse livro na flip e fiquei louca querendo comprar… mas vi umas resenhas bem negativas no skoob e isso acabou me desestimulando um pouco. Mas tua resenha me encheu de curiosidade de novo! Esse já vai pra lista de desejados. rs
    bjos

    Curtir

    • Fico muito feliz que tenha gostado, de verdade. Espero que goste da historia tanto quanto eu gostei. Distopias são incríveis mesmo *_*
      Quanto ao drama, de vez em quando leio, gosto que tenha suspense/ investigação misturada, por isso estou lendo Reconstruindo Amelia, mas estou no começo ainda.

      Bjs

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s